Na última semana, durante os dias 3 a 7 de setembro, rolou em São Paulo mais uma edição do Agile Brazil. Este evento é hoje a mais relevante conferência brasileira sobre Métodos Ágeis de desenvolvimento de software e, como não poderia deixar de ser, nós do ScrumHalf estivemos lá. Este ano ainda tivemos a imensa satisfação não apenas participar, mas também de estar entre os patrocinadores do evento. Essa vontade de estar presente de forma mais ativa veio do reconhecimento da importância da troca de experiências e conhecimento que esta conferência proporciona. Os palestrantes e os conteúdos explorados são muito ricos e, posso afirmar, todos saem de lá com novas ideias e motivados a trazer as novas lições aprendidas para o dia a dia de sua empresa. Por isso, neste post vou tentar passar para vocês um pouquinho do que aconteceu durante esta semana extremamente ágil! =P

 

Keynotes

No primeiro dia de evento, o responsável pelo Keynote foi Neal Ford, Arquiteto de Software e Meme Wrangler na ThoughtWorks. Ele falou sobre as distrações que as abstrações computacionais podem trazer para o nosso dia a dia e os problemas que elas podem causar. Para quem quiser dar uma olhada, no site do Neal Ford dá para ter acesso aos slides da palestra 'Abstraction Distractions'.

O segundo keynote foi dado por James Shore, co-autor do livro The Art of Agile Development. A palestra era 'Growing into Fluency and Excellence' e ele falou justamente sobre a equipe alcançar fluência e excelência no desenvolvimento ágil de software. Ele também apresentou um modelo proposto por ele para atingir essa fluência e tirar proveito dos benefícios do desenvolvimento ágil. O artigo redigido sobre esse modelo pode ser encontrado aqui

Por último, mas merecendo destaque, foi a vez de Khawaja Shams com a palestra 'Agile Software for Mission Critical Operations at the NASA Jet Propulsion Laboratory'. A palestra foi excelente e nela ele mostrou como a equipe de desenvolvedores do The Operations Planning Software Lab da NASA utiliza o Scrum no dia a dia deles. O foco da palestra foram as práticas adotadas pela equipe, como aplausos ao finalizar uma tarefa, o fato de todos estarem posicionados de forma a ver qualquer discussão de ideias que aconteça no quadro branco, o pair programming etc. A palestra foi realmente muito boa.

 

Palestras

A exemplo da organização do ano anterior, todas as palestras da programação estavam subdivididas em trilhas de interesse e nível de experiência com métodos ágeis. Esta organização é muito interessante, pois a quantidade de palestras é enorme e dessa forma é possível focar em um assunto de interesse ou buscar palestras que sejam mais direcionadas para a experiência da sua empresa com agile.

Este ano, os assuntos tratados foram:

  • Análise e Planejamento;
  • Gestão e Cultura;
  • Desenvolvimento e Teste;
  • Inovação e Empreendedorismo;
  • além da trilha de Relatos de Experiência.

Infelizmente não poderei falar de todas as palestras, porque foram realmente muitas. Se quiserem dar uma olhada na programação completa, vejam aqui. Aqui neste post eu vou destacar duas palestras que eu gostei muito, apesar de ser difícil escolher apenas duas.

A primeira foi um Mão na Massa para Praticantes sobre Gestão e Cultura. O nome era 'Kit de atividades para retrospectivas' e o palestrante foi o Paulo Caroli da Thoughtworks. Durante 2 horas diversas atividades para retrospectiva de times foram apresentadas e o mais legal é que o clima da atividade foi bastante aberto para discussão, então surgiram diversas ideias e questionamentos interessantes. Eu não encontrei os slides para disponibilizar para vocês, mas o Paulo Caroli mantém um blog com muitas das técnicas apresentadas na palestra. Vale a pena conferir. Tem muita ideia legal lá para dar uma mudada na retrospectiva do seu time.

A segunda foi um Relato de Experiência para Praticantes também. A palestra chamava 'Praticando o desapego: quando ignorar a dívida técnica' e foi apresentada pelo Ivayr Netto, também  da Thoughtworks. Achei bastante interessante, pois ele contou um caso de um projeto em que ele participou e que a primeira reação do time ao ver o código legado foi querer reescrever tudo do início. No entanto, a máxima 'em time que está ganhando não se mexe' prevaleceu quando em vez de trazer benefícios, as alterações acabaram trazendo bugs e prejuízos.  Achei legal ele mostrar que quando encontramos uma situação dessa, devemos ir alterando aos poucos, mudando o que temos certeza que não implicará em nenhuma outra parte do sistema. Uma experiência legal que acho que vale a pena compartilhar com vocês, já que todos um dia já trabalhamos ou trabalharemos com código legado. Os slides para esta palestra estão aqui.

 

Lightning Talks

Além das palestras, ainda existiram as rodadas de Lightning Talks onde os palestrantes tinham cerca de 10 a 15 minutos para jogar uma ideia no ar, no estilo "food for thought".

Assisti uma do Rafael Sabbagh sobre a importância do feedback do usuário para o produto e para o Product Owner. Apenas tendo o feedback real do usuário o Product Owner consegue saber se está no caminho certo ou não, se o produto está atendendo as expectativas ou não. Vale pensar nessa ideia. De quanto mais próximo do usuário final o feeback vier, mais valioso ele é para o produto.

 

WBMA – Workshop Brasileiro de Métodos Ágeis

O Workshop é uma parte do evento mais focada na produção acadêmica na área de Métodos Ágeis. O objetivo é reunir alunos, pesquisadores e profissionais que estejam produzindo estudos e discutir os resultados com a comunidade ágil. Para saber mais sobre o que rolou no workshop este ano, veja aqui

 

Executive Summit

O objetivo desta parte do evento foi abrir um espaço de discussão sobre Agile entre executivos, que ainda não existia na conferência. Todas as atividades foram lideradas por executivos de grandes empresas e os temas também foram propostos por executivos convidados a participar da preparação do evento. Para saber mais, visite.

 

Virada Ágil

Durante os dias 31/08 a 04/09 diversos cursos e treinamentos foram ministrados para a comunidade ágil. A parte mais legal disso foi a oportunidade de fazer treinamentos com até 50% de desconto sobre o valor de mercado. Bom, né? Então, #ficaADica para o próximo Agile Brazil.

 

A edição de 2012 acabou. Agora é aguardar a próxima edição do Agile Brazil, que acontecerá em Brasília sob a coordenação de Manoel Pimentel. Nós estaremos lá e vocês?